Casas diferentes: conheça estilos e estruturas diferentes para se inspirar

O mercado de construção civil é um dos pilares da economia brasileira. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), após 20 trimestre consecutivos de queda, este setor voltou a crescer 2% no segundo trimestre de 2019.

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) divulgou daods que apontam um aumento de 16% na venda de imóveis no segundo trimestre de 2019 em relação ao mesmo período do ano anterior.

Com isso, o mercado imobiliário se estabelece como uma grande força deste ano até agora.

Construir uma casa desde a sua fundação pode ser uma experiência transformadora tanto para os proprietários quanto para todos os profissionais envolvidos. Isso porque se envolver com este tipo de projeto é desenhar e realizar sonhos.

Conheça algumas casas com diferentes estilos arquitetônicos que podem ajudar a definir projetos e inovar em seus trabalhos!

Chalé de campo

Casas de campo são famosas residências conhecidas por serem retiros de descanso e, por isso, é muito importante ter um ambiente super acolhedor nas montanhas.

O arquiteto Martin Videgård construiu um chalé com 180m² e terreno e o resultado é impressionante.

A residência é uma junção de praia e montanha, já que fica localizada no topo da colina e ainda tem a vista do mar logo em frente à casa.

Por isso, a fachada da casa traz um ar contemporâneo, onde o exterior é revestido com folhas de metal preto dobradas assimetricamente.

O aspecto pesado é quebrado por portas de vidro que enchem a casa de luz natural durante o dia e cria uma conexão com a natureza que cerca a casa.

O interessante dessa obra, além do seu aspecto estético extremamente diferente, é que o arquiteto usou técnicas de construção leve, levando forros, paredes de OSB e painéis formados por aparas de madeira. Isso tudo leva a um preço final mais barato.

Casa de Vidro

O uso do vidro em projetos residenciais ganhou força nas últimas décadas.

Para este tópico, separamos uma das grandes obras de Lina Bo Bardi: a Casa de Vidro.

Em 1951, a renomada arquiteta brasileira do século XX, que projetou o Museu de arte de São Paulo (MASP), construiu a sua casa no Morumbi, em São Paulo.

A residência funciona como uma caixa, flutuando de forma equilibrada sobre finos pilares de aço e vigas de concreto armado.

Crédito: CASACOR
Crédito: CASACOR

Casa-barco

Para quem gosta do mar, morar nele parece ser um sonho. Os arquitetos espanhóis do Mano de Sato construíram a “Punta de Mar”. A casa-barco é trabalhada em linhas retas, tons neutros e materiais naturais.

OCom cerca de 70m², o projeto visava transformar a experiência das pessoas em alto mar tendo um espaço que se conectasse inteiramente com a natureza ao redor.

O design minimalista tem uma infraestrutura tecnológica, na qual o hóspede pode controlar o ambiente inteiro através de um aplicativo. Indo desde iluminação e som até a temperatura e aromas.

É possível ver o mar por quase todos os cantos da casa. Isso porque as paredes são ripadas ou envidraças.

Na parte superior do barco, quase não há intervenções. Assim, os convidados podem relaxar e aproveitar o sol.

Casa enrolada

A casa enrolada foi construída Milyang, na Coreia do Sul, e suas especificidades seriam um desafio para qualquer um: terreno triangular, estreito e inclinado.

O nome “Casa Enrolada” vem porque a residência é cheia de janelas irregulares, dando a impressão de que ela se enrola nela mesma.

As divisórias no térreo foram descartadas e a sala de estar, copa e cozinha ocupam formam um contínuo.

Assim, a disposição aumenta e há mais espaço para criar um ambiente que fuja dos padrões.

Casa espiral na praia

Nesta residência em Connecticut, nos Estados Unidos, a praia faz parte do cenário. A Casa Espiral foi desenvolvida pelo estúdio Joeb Moore & Partners.

Para o projeto, foi estabelecido o objetivo de ter uma casa transparente, que não obstruísse a vista do oceano e nem atrapalhasse as brisas marítimas e luzes naturais.

Desta forma, o arquiteto construiu uma estrutura de dois andares de forma espiral com faces retas e composição de vidro, madeira e concreto.

A parte da frente possui camadas de ripas de cedro que formam um tapume que vai desde o primeiro andar até o segundo.

Entre cada linha de madeira há janelas camufladas que permitem a entrada de ar e luz ao espaço. Esse recurso vem para não afetar o projeto e ainda trazer privacidade aos dormitórios e cômodos centrais.

Todos esses estilos e modelos de casas podem te ajudar a chegar em um projeto final. Acompanhe o blog do Amigo Construtor e fique por dentro das tendências da construção civil.

The post Casas diferentes: conheça estilos e estruturas diferentes para se inspirar appeared first on Portal Amigo Construtor.

Casas diferentes: conheça estilos e estruturas diferentes para se inspirar Publicado primeiro em https://www.amigoconstrutor.com.br

Cozinha americana: 5 ambientes para você se inspirar

Com casas e apartamentos cada vez menores, o estilo de cozinha americana faz cada vez mais sucesso.

Nesse modelo, apenas uma meia parede ou um balcão divide a cozinha da sala, deixando esses espaços mais integrados.

Entre as vantagens de se ter uma cozinha americana estão:

  • sensação de amplitude;
  • mais integração, permitindo que as pessoas conversem entre si em diferentes cômodos;
  • melhor aproveitamento dos móveis e do espaço.

Mas a cozinha americana também traz alguns desafios. Se por um lado o espaço para a circulação aumenta, o espaço para armários diminui. Porém, isso pode ser resolvido com ideias criativas.

Se você quer ter a sua cozinha americana com muita praticidade e estilo, confira as nossas dicas abaixo.

Mesa + balcão pequeno

Crédito: Decor Fácil

Se você for utilizar uma mesa de jantar, pode investir em um balcão mais curto, para aumentar a sensação de amplitude.

A mesa também deve ser disposta logo após a bancada, para aproveitar melhor o espaço e diminuir a distância entre a mesa e a cozinha.

Móveis encostados à parede também ajudam na circulação, principalmente em cômodos pequenos.

Outra dica é não ter medo de apostar em cores mais alegres, assim você deixa o visual mais equilibrado e charmoso.

Cimento queimado

Divulgação

O cimento queimado é uma grande tendência de decoração, pois une economia e versatilidade, podendo ser utilizado em diversos cômodo, criando diversos estilos.

Nesta cozinha, ele está presente desde o chão até a parede e a bancada. A geladeira e os móveis pretos deram um estilo totalmente moderno, mas cores mais quentes e vibrantes também sempre combinam com cimento queimado.

As luzes suspensas sobre a bancada, além de deixarem a decoração bonita, criaram um espaço mais agradável para as refeições.

Madeira e branco

Cozinha americana: madeira e branco
Divulgação

A cozinha toda branca costuma ser um sonho para quem quer uma aparência mais sofisticada. Mas para fugir do comum, você pode misturar o branco com tons de madeira, como nesse projeto da arquiteta Luciana Tomas.

Além da mesa e do tampo do balcão brancos, ela incluiu prateleiras, que são uma ótima solução para guardar utensílios ocupando menos espaço do que um armário completo.

Outro destaque fica para a mesa que divide a cozinha da sala. Geralmente, em projetos de cozinha americana vemos meia parede e balcões, mas a mesa também funciona muito bem para dividir o espaço e fazer as refeições.

Móveis multifuncionais

Crédito: Luis Gomes/Minha Casa

Móveis multifuncionais são perfeitos para quem tem casa pequena. Essa cozinha é cheia de estilo e foi feita de forma bem simples.

Assim como no caso anterior, o balcão foi substituído por uma mesa. Porém, nesta cozinha ela é feita de painel de pinus, com uma miniestante de um lado e fixado à parede com mão francesa do outro.

Mesa retrátil

Crédito: Decor Fácil

A mesa retrátil é outra ótima solução para quem tem pouco espaço para ter uma mesa de jantar. Ela pode ser utilizada somente para as refeições e depois “escondida” no balcão. Assim, o espaço fica muito mais flexível e organizado.

Se você gostou das nossas dicas para cozinha americana, saiba mais sobre tendências de decoração de cozinha aqui no Blog do Amigo Construtor.

The post Cozinha americana: 5 ambientes para você se inspirar appeared first on Portal Amigo Construtor.

Cozinha americana: 5 ambientes para você se inspirar Publicado primeiro em https://www.amigoconstrutor.com.br

8 sites para procurar emprego na construção civil

Procurar emprego na construção civil pode ser um desafio. A crise na economia vem fazendo com que profissionais de todas as áreas tenham que se readaptar no mercado e desenvolver novas técnicas para encontrar trabalho.

Mas as notícias são boas para quem quer um emprego na construção civil. No mês de julho, houve uma abertura em sete dos oito setores da economia brasileira, segundo o Ministério da Economia. Destes, o maior número de empregos ficou com a construção civil, com 18.721 vagas disponibilizadas.

Então, para aproveitar esta boa notícia, é importante estar preparado com um bom currículo e partir para a busca.

Para isso, a internet pode ser uma grande aliada para que os usuários tenham acesso a vagas que conversem com as suas expriências profissionais.

Sites e aplicativos que irão te ajudar a encontrar vagas

CV Engenharia

Focado em vagas para engenheiros, este site possui um visual limpo e bem fácil de usar, para quem está começando.

O serviço é de graça, mas caso o usuário opte por querer ter acesso a nomes de algumas empresas e destaque nas buscas, é preciso pagar.

Vagas.com

Uma das maiores plataformas na de busca de emprego, o site tem vagas para diversas áreas. São mais de 3 mil empresas anunciantes e um banco de dados de 10 milhões de currículos.

Basta fazer o cadastro no site, colocando todas as informações necessárias, e partir para a busca. Muitas etapas dos processos seletivos podem, inclusive, ser feitos no próprio site, como testes de conhecimentos gerais e técnicos.

Indeed 

O Indeed é um grande buscador, no qual você encontra vagas anunciadas na própria plataforma ou em outros sites. Esta plataforma cadastra currículos, apresenta vagas e agrega ofertas listadas em outros locais.

Nela, você também pode cadastrar seu e-mail para receber aletas de novas vagas. Assim, você fica sempre de olho se surgir algo na área que você está procurando.

SINE Fácil

A SINE Fácil é um aplicativo, desenvolvido pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social, que concentra vagas nas suas sedes regionais e pelo Sistema Nacional de Emprego.

É um forma muito prática para procurar emprego pelo celular, consultar benefícios e até mesmo marcar entrevistas. Baixe aqui.

Linkedin

O LinkedIn é uma rede social voltada para carreiras, com foco no mercado de trabalho e mundo de negócios. Lá o usuário pode cadastrar seu currículo, procurar por vagas e até mesmo se conectar com empregadores.

Aqui no Amigo Construtor, nós ensinamos como você pode aproveitar o melhor dessa rede social.

Curriculum

O Curriculum é um dos maiores sites de busca de emprego. Ele não cobra nada para você se cadastrar nem fazer a busca. O principal objetivo da plataforma é conectar as empresas aos candidatos.

Catho

A Catho é um dos principais portais virtuais para busca de vagas, inclusive na construção civil. Os serviços incluem análise de currículo, consultor virtual, cursos rápido e simulação de entrevistas.

Porém, a Catho exige a contratação da assinatura para poder se candidatar às vagas. O site disponibiliza algumas opções de planos, com diferentes valores e 30 dias de uso grátis.

Infojobs

Com um sistema bem simples para busca de emprego, o Infojobs permite cadastro de currículo e oferece assinatura premuium a partir de R$32,90 por mês.

Depois de cadastrar seu currículo, você pode buscar vagas nas mais diversas áreas.

Agora que você já sabe onde procurar emprego na construção civil, cadastre-se no site (ou nos sites) que mais gostar e mãos à obra! E quando conseguir uma entrevista, prepare-se com as dicas que demos neste post. Boa sorte!

The post 8 sites para procurar emprego na construção civil appeared first on Portal Amigo Construtor.

8 sites para procurar emprego na construção civil Publicado primeiro em https://www.amigoconstrutor.com.br

Lavanderia: como transformar o espaço sem perder a funcionalidade

A lavanderia ou área de serviço, que é utilizada para lavar e passar roupas e guardar produtos de limpeza, muitas vezes é um espaço pequeno que acaba ficando mal organizado e utilizado.

Por isso, é importante traçar um projeto bem legal que irá trazer funcionalidade ao espaço. Tudo isso com um toque especial.

A concretização do projeto de uma casa é ter um sonho realizado para muitos. Cerca de 53% de brasileiros que ainda não possuem um ímovel, dizem que a casa própria é uma prioridade.

Por isso, quando o sonho se concretiza, áreas em que os moradores passam mais tempo acabam ganhando mais atenção. Isso faz com que outros cômodos fiquem de lado ou se tornem um depósito, como é o caso da lavanderia.

Maria Kondo, uma especialista em organização, diz que “Quando experimentar o que é ter uma casa realmente organizada, [o dono] sentirá como todo seu mundo ficará iluminado”.

Tendo isso em vista, separamos algumas dicas que irão ajudar a organizar este ambiente da casa, sem deixar de lado a praticidade que uma área de serviço tem que ter.

Como aproveitar melhor o ambiente

Guarde objetos em caixas e cestos

Muitas vezes o que pode transformar a área de serviço em caos são os objetos que acabam vindo de toda a casa para este ambiente.

Assim, é legal ter lugares para guardá-los sem que isso cause um desconforto visual.

Cestas e caixas são uma ótima opção para que os objetos estejam seguros e colocados de forma organizada e funcional.

Use armários e prateleiras

Nem sempre é possível guardar tudo em caixas, porque muitas vezes é necessário ter as coisas à vista.

Dessa maneira, para transformar o espaço sem perder a sua funcionalidade, instale armários nas partes superiores e laterais do ambiente e otimize o ambiente mantendo sua funcionalidade.

Além disso, também libera mais espaço para eletrodométiscos e outros utensílios maiores.

Crie um sistema para separar as roupas

Separar o tipo de roupa suja pode ajudar a manter a estabilidade do ambiente. Isso sem correr o risco de manchar as roupas na hora de colocar na máquina de lavar e ainda evita um acúmulo excessivo no cesto.

Crédito: Lowes

Arranje um espaço para pendurar as roupas

Ter um espaço para pendurar cabides irá facilitar o trabalho na hora de passar as roupas, porque permite que as peças com tecidos que amassam facilmente fiquem mais estáticas.

Aproveite os cantos

Usar o espaço ao seu máximo pode ser uma boa saída para guardar produtos.

Por isso, na falta de espaço aproveite os cantinhos com organizadores estreitos que irão manter a funcionalidade de um armário, mas otimizando o espaço que você tem.

Crédito: Good Housekeeping

O que achou das nossas dicas?

Vá até a página do nosso facebook e conte para nós como você transformou o projeto de uma lavanderia para deixá-la ainda mais bonita e prática.

The post Lavanderia: como transformar o espaço sem perder a funcionalidade appeared first on Portal Amigo Construtor.

Lavanderia: como transformar o espaço sem perder a funcionalidade Publicado primeiro em https://www.amigoconstrutor.com.br

Como vender mais: 3 formas de motivar sua equipe

O capital humano pode ser o maior recurso da sua loja de materiais de construção e a solução para vender mais. É a sua equipe de vendedores, caixas e demais funcionários que vão ter contato direto com o seu cliente e, assim, ser o rosto da sua loja.

Por isso, é muito importante investir em pessoas. E isso vai além de escolher bons funcionários e pagar um bom salário. Sua equipe precisa estar motivada e bem preparada para dar o melhor de si e vender mais.

Se você concorda com isso e quer saber como motivar a sua equipe para vender mais, confira as nossas dicas.

Treine sua equipe
para atender bem

O bom vendedor não é aquele que consegue empurrar produtos para o cliente, mas aquele que consegue conversar e entender bem as suas necessidades.

Por isso, treine sua equipe para que ela conheça bem os produtos que a sua loja oferece. Os próprios fornecedores de materiais de construção costumam oferecer treinamentos sobre seus produtos, em parceria com as lojas.

Assim, seus vendedores podem atender melhor o cliente, podendo argumentar de maneira mais eficiente e fazer sugestões.

Além disso, sua equipe de vendas precisa saber ser atenta e prestativa na medida certa para atender bem. Por isso, é fundamental fazer treinamentos voltados para o atendimento ao cliente.

O bom atendimento pode ser um dos motivos que irão fidelizar esse cliente – até mais que o preço. Se o cliente se sente à vontade na sua loja e confia na indicação dos seus vendedores, ele fica mais propenso a não procurar outra revenda.

Dê feedbacks à sua equipe

Assim como um treinador é fundamental para a conquista de um título, a sua liderança é fundamental para que a loja venda mais.

Por isso, faça reuniões periódicas com seus colaboradores e dê feedbacks. Fale de forma clara e positiva onde estão errando e onde estão acertando, para que possam melhorar. Assim, você tem uma equipe fiel e motivada.

Além disso, essa é uma forma de evitar a rotatividade de funcionários. Ao invés de simplesmente substituir um colaborador que não está indo tão bem e ser obrigado a treinar alguém novo do zero, você pode dar a chance para quem você já conhece e estabelecer a confiança tando do seu time quanto dos clientes.

Crie metas inteligentes

As bonificações por metas atingidas são práticas comuns em vendas, mas elas podem ser um tiro no pé se feitas de qualquer jeito. Metas inatingíveis podem desmotivar ao invés de impulsionar a equipe de vendas.

Por isso, ao criar metas, confira se elas são:

  • Atingíveis: confira o padrão de resultados da sua equipe e defina uma meta que a faça chegar mas longe, mas dentro da realidade da loja.
  • Relevantes: defina os objetivos do seu negócio e crie a meta de acordo com eles. Deixe claro que, ao atingir essa meta, seus vendedores estão ajudando a loja a crescer.
  • Temporais: defina um período para o cumprimento dessa meta e para a premiação. Caso contrário, a equipe pode acabar deixando para depois, e o objetivo se perde. Além disso, com um prazo definido, fica mais fácil de medir a eficácia da ação.

Viu como ações simples podem mudar os resultados da sua loja? Agora, ponha em prática essas dicas e depois conte para a gente se deu certo na sua revenda!

The post Como vender mais: 3 formas de motivar sua equipe appeared first on Portal Amigo Construtor.

Como vender mais: 3 formas de motivar sua equipe Publicado primeiro em https://www.amigoconstrutor.com.br

Documentos para construção: legalize a sua obra em 8 passos

Você comprou um terreno e está pronto para construir a sua
tão sonhada casa.  Seria péssimo se a sua
obra fosse embargada por não estar com todos os documentos corretos, não seria?
Sabia que você ainda pode ser multado e ter sua obra demolida?

Aqui, vamos te explicar passa a passo como conseguir toda a documentação necessária para a sua construção e, desta forma, evitar problemas desnecessários.

Documentos para construção de uma casa

1º Passo – Compra do
terreno

Primeiro de tudo é necessário ter um terreno. Antes de comprar um terreno é sempre bom verificar a sua regularidade e potencial construtivo consultando a matrícula atualizada do terreno e as leis de zoneamento do município.

Normalmente, estas informações podem ser retiradas diretamente do site das prefeituras com a Inscrição imobiliária. Este número consta no IPTU do terreno, conforme a Figura 1.

Figura 1 – Exemplo de Inscrição Imobiliária
Crédito: Prefeitura de Curitiba

2º Passo –
Engenheiro/Arquiteto

A primeira coisa a ser feita, depois de ter escolhido o
terreno, é contratar um arquiteto ou engenheiro que tenha o devido registro em
seu conselho — Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) ou Conselho Federal de
Engenharia e Agronomia (CREA) — e no município.

Mas preciso mesmo de
um engenheiro? Tenho um mestre de obras ótimo.

A contratação de um engenheiro civil ou arquiteto é obrigatória por lei. Este profissional irá emitir uma ART (Anotação de Responsabilidade Técnica), se tornando responsável técnico pela obra.

É ele quem responde pela obra caso esta apresente problemas durante o seu prazo de garantia legal (esta garantia será tema de um próximo post).

3º Passo – Projeto
Arquitetônico

Feita a escolha do responsável técnico, é hora de fazer o projeto arquitetônico da edificação. Neste caso, o próprio responsável técnico pode fazer o projeto arquitetônico ou então realizar a contratação de um profissional específico para isso.

A existência do projeto arquitetônico é essencial para que se consiga as aprovações que serão descritas na sequência. É importantíssimo que este projeto esteja em completo acordo com todas as regras do município e dentro do potencial construtivo do terreno.

Vale aqui lembrar que cada terreno possui um zoneamento, área máxima a ser construída, recuos mínimos etc.

Projetos complementares

Apesar de os projetos complementares (estrutural, fundação, elétrico, hidráulico) nem sempre serem exigidos pela prefeitura, é sempre recomendável que eles sejam também contratados.

No caso de não se contratar um projeto estrutural, por exemplo, pode-se acabar gastando mais do que o necessário, além de também ficar suscetível ao aparecimento de manifestações patológicas, como fissuras etc.

4º Passo – Alvará/Licença
de construção

Este documento é retirado diretamente na Secretaria Municipal de Urbanismo. Para isso, é necessário protocolar um pedido de alvará, anexando o projeto arquitetônico, matrícula, IPTU, além de recolher todas as taxas cobradas. 

Dependendo do município, podem ser solicitados também outros documentos, como certidão negativa do imóvel, memorial descritivo etc.

Devido a isso, é importante se informar com a Secretaria
Municipal de Urbanismo do seu município sobre quais documentos devem ser
entregues junto com o projeto arquitetônico, bem como a forma de entrega do
projeto (papel, digital ou os dois).

Irregularidades

 É neste ponto, também, que o projeto é conferido pela prefeitura. Se tiver alguma irregularidade frente as regras municipais, o processo fica suspenso até que o projeto seja corrigido.

Jamais deve-se iniciar uma obra sem ter o alvará de construção em mãos. Este documento deve ainda ficar em uma pasta na obra, junto com a ART e cópia dos projetos, pois devem ser apresentados em caso de uma fiscalização do CREA/CAU ou da Prefeitura. Além disso, estes documentos também são exigidos por bancos em caso de financiamento.

Outro ponto importante a ressaltar é que deve constar no
tapume da obra uma placa com os dados do responsável técnico (nome e registro
do CREA/CAU e número do processo). Caso seja fiscalizada e não possua placa, a
obra será multada.

5º Passo – Cadastro no CNO

O CNO (Cadastro Nacional de Obras) foi instituído em novembro de 2018 e vem substituir o antigo CEI (Cadastro Específico do INSS).  O procedimento de inscrição pode ser realizado neste link .

 Segundo o site da
receita federal:

“Estão obrigadas à inscrição no CNO as
obras de construção civil, sendo responsáveis por seu cadastramento:
I – O proprietário do imóvel, dono da obra ou o
incorporador de construção civil, pessoa física ou pessoa jurídica, inclusive o
representante de nome coletivo;
II – A pessoa jurídica construtora, quando
contratada para execução de obra por empreitada total;
III – A sociedade líder do consórcio, no caso de
contrato para execução de obra de construção civil mediante empreitada total
celebrado em nome das empresas consorciadas;
IV – O consórcio, no caso de contrato para
execução de obra de construção civil mediante empreitada total celebrado em seu
nome.”

OBS: você tem 30 dias para realizar o cadastro após ter solicitado
o alvará de obras.

6º Passo – HABITE-SE/CVCO

Com a obra concluída, deve-se solicitar à Secretaria Municipal de Urbanismo, onde foi emitido o alvará de construção, para que seja realizada a vistoria de término de obra.

Nesta vistoria, será verificado se a edificação foi construída de acordo com o projeto aprovado. Estando tudo correto, é emitido o CVCO (Certificado
de Vistoria de Conclusão de Obra), também conhecido como Habite-se, documento que atesta que a casa foi construída conforme as exigências legais e está pronta para habitação.

7º Passo – CND do
INSS

A Certidão Negativa de Débito (CDN) é um documento que
comprova que todos os impostos relativos à execução da obra foram recolhidos
adequadamente e é emitido pela Receita Federal.

A lista de documentos que devem ser levados à receita, bem
como o agendamento, pode ser verificada neste link.

8º Passo – Averbação no registro do imóvel

Como última etapa, é necessário ir ao Registro de Imóveis, portando o Habite-se e o CND do INSS, para a averbação da obra no registro de imóveis. Ou seja, nesta etapa é atualizada a matrícula do imóvel, constando que nela agora existe uma construção.

Construa legalmente

Construir legalmente é um pouco burocrático, mas não é um
bicho de sete cabeças.

É muito melhor desprender um tempo nesta etapa do que ter
problemas futuros, seja durante a construção ou, ainda, na venda do imóvel.

E aí, prontos para construir??

OBS: Este passo a passo é apenas um informativo genérico e
pode haver diferenças entre municípios. O ideal é sempre procurar a Secretaria
de Urbanismo do município, antes de iniciar a obra, para se informar do
processo específico.

The post Documentos para construção: legalize a sua obra em 8 passos appeared first on Portal Amigo Construtor.

Documentos para construção: legalize a sua obra em 8 passos Publicado primeiro em https://www.amigoconstrutor.com.br

Tijolo Ecológico: o que é, tipos, vantagens e desvantagens

Você já conhece o tijolo ecológico? Sabe a diferença dele para o tijolo convencional?

Bom, o Tijolo Ecológico tem este nome pois o seu processo de produção é
mais sustentável, já que não necessita da queima de madeira para o
funcionamento do forno, como ocorre em um olaria convencional. Desta forma,
auxilia na redução do desmatamento e gera menor emissão de gases tóxicos.

Para a produção do tijolo
ecológico se utiliza normalmente apenas solo, cimento e água. Alguns
fabricantes ainda vão além e já utilizam também diversos rejeitos para a
produção destes tijolos, como bagaço de cana, raspas de pneus, etc. Desta
forma, estes fabricantes conseguem ser ainda mais sustentáveis. Legal, não?

Mas calma, as vantagens não param por aí!!

Este tipo de tijolo tem um sistema de encaixe e um desvio baixíssimo de dimensões, o que facilita bastante no processo de assentamento. Devido a isso, não se costuma utilizar argamassa convencional para o assentamento destes tijolos. Normalmente se utiliza somente argamassa polimérica para auxiliar na fixação, conforme demonstrado na Figura 2. A argamassa convencional só é utilizada para o assentamento da primeira fiada. Desta forma, se usa menos material e se reduz ainda mais o impacto ambiental.

Figura 2 – Assentamento do tijolo ecológico

Outra vantagem interessante é que
os furos existentes no tijolo facilitam a passagem de tubulações elétricas e
hidráulicas, reduzindo o retrabalho e gerando menos entulho. Estes tijolos
também são vendidos no formato de canaleta, ajudando ainda mais na passagem das
tubulações.

Além de todos os benefícios comentados até aqui, estes Tijolos Ecológicos ainda apresentam um excelente isolamento térmico.

Figura 3 – Passagem de tubulação sem recortes

Que legal! Mas se tem tantos benefícios, por que não são
usados em todas as obras?

As principais razões são o
desconhecimento e o custo. Como é um produto relativamente novo, as equipes de
obra ainda não estão acostumadas a trabalharem com ele. Além disso, o custo da
peça de tijolo é maior, o que gera a impressão de que se gastará mais na
construção da parede. Entretanto, isso não é verdade. Devido à redução da mão
de obra e de material que este tipo de produto proporciona, a economia final
pode chegar a quase 40%.

Da mesma forma que o tijolo
cerâmico convencional, o Tijolo
Ecológico
também não tem função estrutural. Ou seja, há a necessidade da
construção de pilares e vigas. No caso de edificações de único pavimento,
normalmente se embute estes pilares a cada 1 metro (ou em cantos) dentro dos
furos do tijolo, de forma que eles não fiquem aparentes. É sempre importante
informar o engenheiro estrutural sobre a intenção de utilizar este material.
Desta forma, ele já dimensiona corretamente o espaçamento, dimensão e armadura
dos pilares necessários.

Além disso, o Tijolo Ecológico é uma solução
construtiva modular. Devido a isso, é importante o arquiteto prever a
utilização deste material em seu projeto, uma vez que as medidas das paredes
devem respeitar as dimensões destes tijolos e, com isso, evitar que sejam
necessários cortes, fazendo com que eles percam parte de suas vantagens.

Outro ponto positivo é que este tijolo tem um grande apelo estético e passa aquele ar de ambiente rústico. Por isso, ele pode ser deixado sem acabamento. Claro, se preferir, ele também pode ser rebocado. Mas caso você opte por não realizar o acabamento, é sempre importante impermeabilizar a parede para que não passe umidade para dentro da casa.

Agora que você já conhece o tijolo ecológico. Ficou interessado em utilizar na sua obra?

Imagens: Idea Brasil, Tijolo Solocimento, Divulgação

The post Tijolo Ecológico: o que é, tipos, vantagens e desvantagens appeared first on Portal Amigo Construtor.

Tijolo Ecológico: o que é, tipos, vantagens e desvantagens Publicado primeiro em https://www.amigoconstrutor.com.br

Como calcular o volume de concreto para lajes, vigas e pilares

Calcular o volume de concreto necessário
para uma obra é fundamental para garantir a compra correta do material,
evitando a falta ou o desperdício.

Felizmente, a matemática básica nos ajuda a fazer esse cálculo
de maneira simples. Porém, é importante ressaltar que o cálculo varia de acordo
com o tipo de laje que você irá construir. Nas lajes pré-fabricadas, por
exemplo, você usará concreto apenas em seu capeamento. Já as lajes maciças têm
todo o seu preenchimento feito de concreto.

Neste post, você aprenderá como
calcular o volume de concreto na construção de lajes maciças
.
Em poucos passos, você poderá agilizar e muito a sua obra.

Neste exemplo, vamos imaginar que a concretagem será realizada
em 2 etapas. Na primeira, serão concretados somente os pilares até a altura da
face de baixo da viga. Já na segunda, serão concretadas as vigas e a laje.

Passo 1: calculando
o volume de concreto dos pilares

Primeiramente,
precisamos saber as dimensões dos pilares e o pé-direito da obra. No nosso
exemplo, vamos imaginar uma obra com pé-direito de 3,5 m e a forma da
construção conforme apresentado na Figura 1.

Figura 1 – Forma da Laje

Como as
vigas têm 50 cm de altura (ou 0,5 m), vamos considerar nesta etapa da
concretagem uma altura de concretagem de 3 m (3,5 m menos 0,5 m da viga).

Feito
isso, para saber a quantidade correta de concreto a ser utilizada em seus
pilares, basta calcular o volume do espaço a ser preenchido, seguindo o
seguinte procedimento:

  1. O primeiro passo é calcular a área de cada pilar. No
    nosso caso, seria 0,2 m x 0,4 m, totalizando uma área de 0,08 m².
  2. Feito isso, multiplicamos então a sua área pela
    altura a ser concretada de cada pilar, ou seja, 0,08 m² x 3,0 m, totalizando um
    volume de 0,24 m³ por pilar. Como na obra temos 4 pilares, teremos então um
    volume total de 0,96 m³.

Resumo

  1. Área do pilar: lado x
    lado = área em m²
    Exemplo: 0,2 m x 0,4 m = 0,08 m²
  2. Volume de concreto: área
    x altura (descontando a viga) = volume de concreto em m³
    Exemplo: 0,08 m² x 3,0 m = 0,24 m³
  3. Volume de concreto
    total: volume de cada pilar multiplicado pelo número de pilares Exemplo: 0,24 m²
    x 4 = 0,96 m³

Passo 2: calculando
o volume de concreto da laje

Para a nossa segunda concretagem, precisamos calcular o volume
das lajes e da viga. O procedimento é muito similar ao que foi realizado para
os pilares. Vamos iniciar aqui pelo cálculo da quantidade de concreto para a
laje:

  1. Novamente, o primeiro passo é calcular a área. Se é
    uma laje de formato quadrado, com 5 metros de comprimento em cada lado,
    conforme a Figura 1, você terá uma área de 25 m².
  2. Em seguida, você irá multiplicar o valor da área
    pela espessura da laje e, assim, obter o volume de concreto necessário.
    Seguindo com o nosso exemplo, digamos que ela tenha 12 cm de espessura, o
    equivalente a 0,12 m. Nesse caso, seriam necessários 3 m³ de concreto.

Resumo

  1. Área da Laje: lado x
    lado = área em m²
    Exemplo: 5 m x 5 m = 25 m²
  2. Volume de concreto: área
    x espessura = volume de concreto em m³
    Exemplo: 25 m² x 0,12 m = 3 m³

Passo 3: calculando o volume de concreto das vigas

Por último, calculamos o volume de concreto das vigas.
Ressaltamos novamente que todas essas informações apresentadas aqui são válidas
apenas para a construção de lajes maciças.

Calcular o volume de concreto para vigas não difere muito do
cálculo de volume das lajes e dos pilares. Basta multiplicar a área de seção da
viga pelo comprimento. Uma das diferenças está nos 12 cm de espessura da laje,
que já foram contabilizados no volume de concreto da laje e agora precisam ser
descontados na hora do cálculo do volume da viga.

Figura 2 – Corte da Estrutura

Por exemplo: na mesma obra, usaremos quatro vigas de concreto
com largura de 20 cm, altura de 50 cm e comprimento de 5 metros. Neste caso,
consideraremos a altura da viga para o cálculo como sendo 50 cm menos a altura
da laje (12 cm), ou seja, 38 cm, conforme Figura 2.

Além disso, é importante também observar que em duas das vigas
deve-se considerar um comprimento menor do que os 5m para não contabilizar duas
vezes o volume da intersecção das vigas. Para estas outras duas vigas, se
considera o comprimento total (5m), descontado duas vezes a larguras das vigas
(20 cm). Neste caso, os comprimentos a serem considerados seriam 5 m menos 2 x0,2
m, ou seja, 4,6 m. – Esta situação fica mais clara analisando a Figura 1
novamente.

Multiplicando-se a altura de 38 cm pela largura de 20 cm, temos
a área da viga e multiplicando-se esta área pelo comprimento, temos o seu
volume.

Resumo

  1. Área da viga: largura x
    (altura – espessura da laje) = área em m²
    Exemplo: 0,20 m x (0,50 m – 0,12 m) = 0,076 m²
  2. Comprimento das vigas
    menores
    Exemplo: 5 m – 2 x 0,2 m = 4,6 m
  3. Volume de concreto das
    vigas: área de seção das vigas x comprimento das vigas = volume em m³
    Exemplo: 2 x 0,076 m² x 5 m = 0,76 m³ e 2 x 0,076 m² x 4,6 m = 0,69 m³
  4. Volume total das vigas
    Exemplo: 0,76 m³ + 0,69 m³= 1,45 m³

Passo 3: somam-se os
volumes de concreto encontrados

Agora que você já sabe a quantidade de concreto necessária para
as vigas e laje, pode-se calcular o volume total desta etapa da concretagem:

Volume Laje e Vigas
= Volume de concreto da laje + Volume de concreto das vigas

Exemplo: 3 m³+ 1,45 m³=
4,45 m³

Caso se deseje saber o volume total de concreto da obra, é só
somar também o volume dos pilares:

Volume total =
Volume de concreto da laje + Volume de concreto das vigas + Volume dos pilares

Exemplo: 3 m³+ 1,45 m³+
0,96 m³= 5,41 m³

Tendo o volume total, é só partir para a última etapa.

Passo 4: considere as
perdas da obra

No dia a dia na obra, é natural haver perdas de material. Por
isso, essas perdas já devem estar previstas no seu projeto.

Na etapa anterior, você descobriu a quantidade necessária de
concreto para a sua obra, mas é importante que você encomende ou produza na sua
obra um pouco mais do que esse valor. O aconselhado é que o excedente seja pelo
menos 5% a mais.

A fórmula para esse cálculo é simples:

Volume final = (1 +
Coeficiente de Perda) x (Volume de Concreto) m³

Exemplo: (1 + 0,05)
x 5,41 m³ = 5,68 m³

Viu como é fácil? Agora, não haverá erro na hora de produzir ou comprar
o concreto para a sua obra.

The post Como calcular o volume de concreto para lajes, vigas e pilares appeared first on Portal Amigo Construtor.

Como calcular o volume de concreto para lajes, vigas e pilares Publicado primeiro em https://www.amigoconstrutor.com.br

Novembro azul: mitos e verdades sobre o câncer de próstata

Novembro Azul é o mês mundial dedicado à prevenção e ao combate ao
câncer de próstata. O movimento surgiu em 2003, na Austrália, par chamar a
atenção dos homens para a importância da prevenção à doença e do diagnóstico
precoce.

O câncer de próstata atinge principalmente homens mais
velhos: 6 em cada 10 casos são diagnosticados em homens com mais de 65 anos.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), há uma estimativa de 68 mil casos no Brasil, com 15 mil mortes.

Isto quer dizer que o câncer de próstata mata um homem
a cada 38 minutos no Brasil. Sendo a segunda principal causa de morte por
câncer em homens, perdendo apenas para o câncer de pulmão.

Mitos e verdades

Mas há muitos mitos envolvendo o assunto,
o que acaba dificultando o acesso de homens aos cuidados necessários. Por isso,
é importante se informar.

Confira abaixo o que é mito e o que é
verdade quando se trata de câncer de próstata.

  • O câncer de próstata é
    uma doença só de idosos

Mito. O câncer de próstata é considerado o câncer da terceira idade, já que 3/4 dos casos no mundo acontecem a partir dos 65 anos, mas a doença pode ser diagnosticada ainda por volta dos 40 anos.

  • Todos homens precisam
    fazer o exame do toque retal

Verdade. O exame do toque retal ainda é o melhor exame para prevenir e, consequentemente, combater o câncer de próstata. Este procedimento médico pode diagnosticar doenças benignas e malignas na próstata do paciente.

A maioria dos homens não sente dor e
nem desconforto ao fazê-lo. É um exame simples, efetivo e rápido. Mas para
fazer o exame com tranquilidade, é importante conversar sobre o procedimento e
esclarecerem suas dúvidas com o seu médico.

Muitos homens acabam rejeitando o
exame retal, por questões culturais ou por medo de descobrir algum problema de
saúde. Porém, ele é o primeiro passo para combater a doença.

É possível identificar o câncer de
próstata também por um exame de sangue chamado PSA (Antígeno Prostático
Específico), porém ele ainda não é tão preciso quanto o retal. Por isso, ambos
os exames se completam.

  • O câncer de próstata
    gera sintomas quando aparece

Mito. A doença é silenciosa e, muitas vezes, os sintomas só irão aparecer em estágios mais avançados e complicados do câncer.

Porém, é preciso estar atento aos sintomas sempre:
dificuldade em iniciar e manter um fluxo constante de urina, expelir urina em
excesso durante a noite ou até mesmo incontinência, sangue na urina, diminuição
no jato de urina.

Estes sintomas podem ser confundidos com tumores
benignos na próstata e, por isso, é tão importante fazer os exames com certa
frequência.

A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda que o
exame seja feito anualmente a partir dos 50 anos, com exceção de homens que
tenham casos na família de câncer de próstata. Neste caso, é recomendado que o
exame seja feito já a partir dos 40 anos.

  • Atividade física
    regular ajuda a prevenir e tratar a doença

Verdade. Exercícios físicos ajudam a reduzir o estresse e a controlar o peso dentro de uma medida saudável. Desta maneira, a atividade física contribui para a prevenção do câncer de próstata e ainda é recomendada para pacientes em tratamento.

Além disso, é importante evitar o
consumo de álcool e cigarro e ter uma boa alimentação.

  • O Câncer leva à
    impotência sexual

Mito. A Prostatectomia radical é a principal responsável pelo receio de homens aderirem ao tratamento do câncer.

A cirurgia retira por completo a
próstata, as vesículas seminais e as extremidades do canal, e isso faz com que
os homens pensem que o resultado deste procedimento é a impotência sexual e,
consequentemente, o fim da vida sexual do paciente.

Porém, trata-se de uma cirurgia pouco
invasiva, que aumenta a sobrevida e é considerada a principal forma de curar
tumores de próstata em fases iniciais.

Por isso, quando tratado rapidamente,
o paciente com câncer de próstata tem grandes chances de manter normalmente a
sua ereção.

Neste Novembro Azul mantenha seus exames em dia e espalhe a mensagem para
os seus amigos!

The post Novembro azul: mitos e verdades sobre o câncer de próstata appeared first on Portal Amigo Construtor.

Novembro azul: mitos e verdades sobre o câncer de próstata Publicado primeiro em https://www.amigoconstrutor.com.br

Como preparar a revenda para a temporada de reformas

O fim e o início do ano são a época das reformas. Muitas pessoas aproveitam o décimo terceiro salário e as férias para investir na casa, seja para receber as visitas de fim de ano, seja para realizar o sonho que só foi possível com a chegada dessa renda.

Por isso, é fundamental ter sua loja de materiais de construção
preparada para garantir boas vendas e clientes satisfeitos. Assim, você pode
fidelizá-los por muito mais tempo.

Prepare o estoque

Fim de ano costuma ocasionar aumento nas vendas, pelos motivos
citados acima. Por isso, é importante que a sua loja esteja com o estoque
abastecido.

Para tanto, você deve manter contato com os fornecedores e
observar o comportamento do seu consumidor. Assim, é possível prever as
tendências de compras – quais produtos têm saído mais e precisam ser repostos.

Isso pode ser feito por meio de um bom controle do estoque, com
o registro cuidadoso da entrada e da saída dos materiais. Dessa forma, você
pode reabastecer a sua revenda antes que os produtos acabem de vez.

Esse é um ponto importantíssimo na fidelização de clientes. Isso porque, além da perda de oportunidades de
negócio, a falta de produtos e o estoque descontrolado podem gerar grandes
incômodos, como atraso nas entregas.

Prepare sua equipe

O aumento da demanda também vai exigir muito da sua equipe de
vendas. E é fundamental não deixar a qualidade do atendimento cair.

Treine seus vendedores para que eles saibam todas as informações
sobre os produtos que a loja oferece. É importante que eles possam orientar aqueles
clientes que esperam a ajuda de quem entende para fazerem a compra com mais
confiança.

Conhecimento da loja também é importante, principalmente quando
há novos funcionários. No dia a dia, certifique-se de que eles entendem bem o
sistema da sua revenda e que sabem onde estão os produtos, por exemplo.

Uma equipe satisfeita atende melhor. Então invista na sua e,
assim, você estará investindo em seus clientes também.

Prepare o ponto de
venda

O visual da sua revenda de materiais de construção pode ser o cartão
de visita e o que vai atrair os clientes.

Você pode apostar em decorações temáticas — como a de Natal, por
exemplo —, mas sempre com muito bom gosto e cuidado para não interferir na
identidade da loja.

Mas, antes de tudo, é importante ter um ambiente organizado, bem
iluminado e de fácil circulação. Com mais pessoas visitando a loja, isso pode
ser um desafio, mas não impossível de se fazer.

Agora
não tem desculpa para não tirar o melhor da temporada de reformas. Continue
acompanhando o Amigo Construtor para
mais dicas para a sua revenda de materiais de construção.

The post Como preparar a revenda para a temporada de reformas appeared first on Portal Amigo Construtor.

Como preparar a revenda para a temporada de reformas Publicado primeiro em https://www.amigoconstrutor.com.br